Fragmentação de DNA Espermático

A qualidade seminal é frequentemente usada como uma forma de avaliação da fertilidade masculina , já que em 20% das causas de infertilidade o fator é  masculino. O volume do ejaculado , a concentração espermática , a morfologia , a motilidade são determinados de acordo com padrões estipulados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e esses parâmetros são utilizados nos centros de infertilidade como parte da rotina de análise seminal.

Aproximadamente 15% dos pacientes com fator masculino tem resultados normais na análise seminal , o que pode sugerir que os parametros seminais convencionais são baixo preditivos do resultado reprodutivo e que o diagnóstico definitivo da infertilidade não pode estar baseado apenas em uma analise seminal rotineira. Existe uma necessidade de novos marcadores da qualidade espermática que possam melhor separar os homens férteis dos  inférteis ou menos férteis.

Os critérios de avaliação utilizados rotineiramente ,  não observam a presença de possíveis danos ao DNA nuclear dos espermatozóides. A fragmentação de DNA pode ser influenciada pelo meio ambiente e pelo estilo de vida e é possível que esta fragmentação possa mudar com o tempo.O material genético espermático é importante e necessário para que a fertilização seja um sucesso, assim como para o desenvolvimento embrionário e fetal. O DNA espermático alterado pode levar a alterações no processo reprodutivo , muitos estudos relatam que danos no DNA espermático podem estar associados a infertilidade masculina e taxas de concepção natural reduzidas. Nos últimos anos , a integridade do DNA espermático tem sido reconhecido como um novo parâmetro para a qualidade seminal e um marcador para a infertilidade masculina. Altos níveis de fragmentação no DNA espermático podem estar relacionados com o baixo potencial de fertilidade , falhas na obtenção de blastocistos , interrupção do desenvolvimento embrionário depois da implantação embrionária  aumentando o risco de abortos de repetição  , reduzindo as chances de sucesso da implantação e efeitos negativos na saúde dos descendentes . Nos últimos anos , métodos não invasivos tem sido propostos para que haja uma melhor escolha na seleção dos espermatozóides utilizados na técnica de ICSI , para a fertilização e também para melhorar a FIV convencional e a IIU. Dentre essas técnicas não invasivas uma que pode ser utilizada para selecionar um espermatozóide com DNA normal para o ICSI é o uso de um microscópio polarizado para avaliar a birefringencia . Essa técnica observa nos espermatozóides vivos ,  sem a necessidade de destruir sua integridade ( com uso de corantes , o que impossibilitaria sua utilização para fertilização ) , a presença de uma dupla refração ou birefringencia que é a decomposição do raio de luz em dois raios que passam através de um material anisotrópico que é uma característica de células que possuem uma organização celular normal. A utilização da técnica da birefringencia nos espermatozóides que serão utilizados na ICSI tem melhorado os resultados da fertilização , bem como das taxas de gravidez , diminuindo também as taxas de abortos. Com essa técnica se pode aprimorar mais a seleção dos espermatozóides em conjunto com a seleção pela motilidade , morfologia e viabilidade. As amostras com Oligoasthenoteratozoospermia ( aquelas em que a concentração , a motilidade , a morfologia são muito alteradas) e que o uso da ICSI é a única forma de obtenção de fertilização e de se ter embrioes para transferir podem ser beneficiadas por mais essa ferramenta para a seleção espermática. Outra técnica que recentemente tive a oportunidade de aprender e observar foi a técnica de MACS que permite a separação dos espermatozóides apoptóticos dos não apoptoticos através do uso de uma proteína ( Anexina-V) conjugada com microsesferas magnéticas e expostas a um campo magnetico. A amostra seminal é capacitada , quando a Anexina-V se liga a célula espermática essa reação indica que a integridade da membrana foi comprometida , que a célula esta apoptótica  . Os resultados observados nos centros que estão utilizando essa técnica, incluindo o Centro de Infertilidade do Dr Valdivieso em Guayaquil ,  são muito interessantes pois  essa técnica está sendo utilizada em todos os casos em que exames anteriores indicam alta taxa de fragmentação do DNA espermático e nos casos em que houve falhas de fertilização , implantação e abortos recorrentes e que foi descartado qualquer envolvimento de fator feminino na infertilidade . Essas duas técnicas , não invasivas , trazem mais  melhorias nos tratamentos , aumentando as taxas de fertilização , melhorando o desenvolvimento embrionário , diminuindo as taxas de falhas de implantação e de abortos recorrentes , contribuindo para a diminuição da ansiedade e estresse que são ocasionados pelos resultados negativos do tratamento.

Sobre o autor:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*